Sites Grátis no Comunidades.net
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
1





Partilhe este Site...



23:57:37


GÊNEROS TEXTUAIS
GÊNEROS TEXTUAIS

 

 

 

 

 

 

 

 

RESENHA


      Resenhar significa fazer uma relação das propriedades de um objeto, enumerar cuidadosamente seus aspectos relevantes, descrever as circunstâncias que o envolvem.

        O objeto resenhado pode ser:

        * um acontecimento qualquer da realidade (uma comemoração solene, um jogo de futebol, uma feira de livros);

         * textos;

         * obras culturais (um filme, um romance, uma peça de teatro).



         A resenha, como qualquer modalidade de discurso descritivo, nunca pode ser completa e exaustiva, já que são infinitas as propriedades e circunstâncias que envolvem o objeto descrito. O resenhador deve proceder seletivamente, filtrando apenas os aspectos pertinentes do objeto, isto é, apenas aquilo que é funcional em vista de uma intenção previamente definida.

           

             Vamos imaginar duas resenhas sobre um mesmo objeto:

         o treinamento dos atletas para uma copa mundial de futebol

       * uma resenha destina-se aos leitores de uma coluna esportiva de um jornal; outra, ao departamento médico que integra a comissão de treinamento.

         * o jornalista, na sua resenha, vai relatar que um certo atleta marcou,, durante o treino, um gol olímpico, fez duas coloridas jogadas de calcanhar, encantou a platéia presente e deu vários autógrafos. Esses dados, na resenha destinada ao departamento médico, são simplesmente desprezíveis.

      Com efeito, a importância do que se vai relatar numa resenha depende da finalidade a que ela se presta.


           RESENHA DE LIVROS PARA O PÚBLICO LEITOR DE JORNAL

        Nessa modalidade de redação não tem o menor sentido descrever com pormenores os custos de cada etapa de produção do livro, o percentual de direito autoral que caberá ao escritor e coisas desse tipo.


          A RESENHA PODE SER:

       * DESCRITIVA: sem nenhum julgamento ou apreciação do resenhador;

      *CRÍTICA: pontuada de apreciações, notas e correlações estabelecidas pelo juízo crítico de quem a elaborou.


RESENHA DESCRITIVA


A resenha descritiva consta de:


1. Uma parte descritiva em que se dão informações sobre o texto:

    - nome do autor (ou dos autores);

    - título completo e exato da obra (ou do artigo);

    - lugar e data de publicação;

    - número de volumes e páginas.

    Pode-se fazer, nessa parte, uma descrição sumária da estrutura da obra (divisão em capítulos, assunto dos capítulos, índices, etc.). No caso de uma obra estrangeira, é útil informar também a língua da versão original e o nome do tradutor (se se tratar de tradução).


2. Uma parte com o resumo do conteúdo da obra:

    - indicação sucinta do assunto global da obra (assunto tratado) e do ponto de vista adotado pelo autor (perspectiva teórica, gênero, método, tom, etc.)

    - resumo que apresenta os pontos essenciais do texto e seu plano geral.

   

                                                                                                      

RESENHA CRÍTICA

 

          Resenha são resumos de trabalho científico, literário ou artístico, que apresentam também a opinião do autor. Quando você deseja ir ao cinema, ao teatro ou assistir a um show, pode ler uma resenha crítica para obter mais informações e saber a opinião de outras pessoas sobre o filme, a peça ou o espetáculo em questão.

       A resenha crítica conta de:

1. Uma parte onde se registram as informações (ideias) do autor, o seu ponto de vista, o valor da obra, entram também os comentários e julgamentos do resenhador com a devida argumentação.

 

 ATIVIDADE

       Combinar com todos os colegas de classe para assistir um filme e depois discutir qual é o tema abordado, as impressões sobre o enredo, o desempenho dos atores, a fotografia, o cineasta que redigiu o filme, entre outros aspectos.




 

 

                A obra o "Diário de uma Garota", da autora Maria Julieta Drummond de Andrade é um exemplo de resenha crítica. Vejamos o texto que segue.

 

MEMÓRIA - ricas lembranças de um precioso modo de vida


          O "Diário de uma Garota" (Record, Maria Julieta Drummond de

Andrade) é um texto que comove de tão bonito. Nele o leitor encontra o

registro amoroso e miúdo dos pequenos nadas que preencheram os dias

de uma adolescente em férias, no verão antigo de 41 para 42.

          Acabados os exames, Maria Julieta começa seu diário, anotado em

um caderno de capa dura já usado até a página 49. É a partir daí que o

espaço é todo da menina, que se propõe a registrar nele os principais

acontecimentos destas férias para mais tarde recordar coisas já 

esquecidas.

          O resultado final dá conta plena do recado e ultrapassa em muito

a proclamada modéstia do texto que, ao ser concebido, tinha como

destinatária única a mãe da autora, a quem o caderno deveria ser

entregue quando acabado.

        E quais foram os afazeres de Maria Julieta naquele longínquo

verão? Foram muitos, pontilhados de muita comilança e de muita leitura:

cinema, doce-de-leite, novena, o Tico-Tico, doce-de-banana, teatrinho,

visita, picolés, missa, rosca, cinema de novo, sapatos novos de camurça

branca, o Cruzeiro, bem-casados, romances franceses, comunhão,

recorte de gravuras, Fon-Fon, espiar casamentos, bolinho de legumes,

festas de aniversário, Missa do Galo, carta para a família, dor-de-barriga,

desenho de aquarela, mingau, indigestão...  Tudo parecia pouco para

encher os dias de uma garota carioca em férias mineiras, das quais

regressa sozinha, de avião.

          Tantas e tão preciosas evocações resgatam do esquecimento um

modo de vida que é hoje apenas um dolorido retrato na parede. Retrato,

entretanto, que, graças à arte de Julieta, escapa da moldura, ganha

movimentos, cheiros, risos e vida.

          O livro, no entanto, guarda ainda outras riquezas: por exemplo,

tom autêntico de sua linguagem, que, se, como prometeu sua autora

evita as pompas, guarda, não obstante, o sotaque antigo do tempo em

que os adolescentes que faziam diários dominavam os pronomes cujo/a

/os/as, conheciam a impessoalidade do verbo haver no sentido de existir

e empregavam, sem pestanejar, o mais-que-perfeito do indicativo

quando de direito...

        Outra e não menor riqueza do livro é o acerto de seu projeto

gráfico, aos cuidados de Raquel Braga. Aproveitando para ilustração

recortes que Maria Julieta pregava em seu diário e reproduzindo na capa

do livro a capa marmorizada do caderno, com sua lombada e cantoneiras

imitando couro, o resultado é um trabalho em que forma e conteúdo se

casam tão bem casados que este Diário de uma garota acaba

constituindo uma grande festa para seus leitores. 

                                                           Marisa Lajolo

                                             Jonal da Tarde, 18 jan. 1986.

         

COMENTÁRIO

          O texto é uma resenha crítica, pois nele a resenhadora apresenta um breve resumo da obra, mas também faz uma apreciação do seu valor (exemplo, 1º período do 1º parágrafo, 3º parágrafo). Ao comentar a linguagem do livro (6º parágrafo), emite um juízo de valor sobre ela, estabelecendo um paralelo entre os adolescentes da década de 40 e os de hoje do ponto de vista da capacidade de se expressar por escrito. No último parágrafo comenta o projeto gráfico da obra e faz uma apreciação a respeito dele.

          No resumo da obra, a resenhadora faz uma indicação sucinta do conteúdo global da obra ("registro amoroso e miúdo dos pequenos nadas que preencheram os dias de uma adolescente em férias, no verão antigo de 41 para 42"), mostra gênero utilizado pela autora (diário) e, depois, relata os pontos essenciais do livro (um rol dos pequenos acontecimentos da vida da adolescente em férias).

          A parte descritiva é reduzida ao mínimo indispensável. Apenas o título completo da obra, a editora e o nome da autora são indicados.

         A finalidade da resenha é a de informar o público leitor sobre a existência e as qualificações do livro.

   (SAVIOLI, F. P. & FIORIN, J.L. Para entender o texto. 7ª ed. São Paulo.

Ática).


EXERCÍCIOS

          Elabore uma resenha crítica de um livro de sua escolha.


ATIVIDADE

          Combinar com todos os colegas de classe para assistir um filme e 

depois discutir qual é o tema abordado, as impressões sobre o enredo, o desempenho dos atores, a fotografia, o cineasta que redigiu o filme, entre outros aspectos.

PROPOSTA DE REDAÇÃO

       Elabore uma resenha crítica sobre o filme. Os melhores textos deverão ser publicados  no jornal da escola ( se houver ) ou afixados no mural da classe.

 

 

 

 RESUMO


COMO FAZER UM RESUMO


          Muitos alunos têm dificuldades em sintetizar as ideias essenciais

num determinado texto, isto é, em resumir. Para elaborar um bom resumo, é necessário compreender antes o conteúdo global do texto. Por isso, não é possível ir resumindo à medida que se vai fazendo a primeira leitura.

          Segundo Platão e Fiorin(1998), resumo é uma condensação fiel de ideias ou dos fatos contidos no texto. Resumir um texto significa reduzi-lo ao seu esqueleto sem perder de vista três elementos:

a) cada uma das partes essenciais do texto;

b) a progressão em que elas se sucedem;

c) a correlação que o texto estabelece entre cada uma dessas partes.

         O resumo é, pois uma redução do texto original, captando suas ideias básicas  de forma objetiva conforme a progressão e o encadeamento em que essas ideias aparecem no texto. Assim não cabem, num resumo, comentários ou jugamentos ao que está sendo condensado.

          Resumir um texto não é reproduzir frases ou partes de frases do texto original, construindo uma espécie de "colagem".

          Ainda conforme, Platão e Fiorin, existem...

          

DOIS FATORES BÁSICOS PARA RESUMIR UM TEXTO

a) da complexidade do próprio texto (seu vocabulário, sua estruturação sintático-semântica, suas relações lógicas, o tipo de assunto tratado, etc.

b) da competência do leitor (seu grau de amadurecimento intelectual, o repertório de informações que possui, a familiaridade com os temas explorados).


PROCEDIMENTOS PARA ELABORAR O RESUMO


1. Ler uma vez o texto ininterruptamente, do começo ao fim.

    (Texto não é um aglomerado de frases; preciso entender o significado de cada uma das partes).


2. Realizar uma segunda leitura com interrupções, com o marca texto ou o lápis na mão, para compreender melhor o significado de palavras difíceis (se precisar, recorra ao dicionário) e para captar o sentido de frases mais complexas (longas, com intervenções, com elementos ocultos).

   Nessa Leitura, deve-se ter a preocupação em compreender o sentido das palavras que se relacionam, responsáveis pelo estabelecimento das conexões (assim, isto, isso, aquilo, aqui, lá, daí, seu, sua, ele, ela, etc).


3. Num terceiro momento, tentar fazer uma segmentação do texto em blocos de ideias que tenham alguma unidade de significação.


RESUMINDO UM TEXTO PEQUENO

          Adote como critério de segmentação a divisão em parágrafos.



RESUMINDO UM TEXTO MAIOR

 (o capítulo de um livro, por exemplo)

      Adote um critério de segmentação mais funcional, o que vai depender de cada texto:                                                                                 *as oposições entre os personagens;                                                     * as oposições de espaço;

          * as oposições de tempo.


4. Realizar a redação final com suas palavras.

    Procurar não só condensar os segmentos mas encadeá-los na progressão em que se sucedem no texto e estabelecer as relações entre eles.